Tuesday, September 27, 2005

CANCER


Somos todos crianças
Pensamos no futuro
Sendo todos adultos
Viajamos em sonhos
Todos pensamos viver
Até conhecermos a doença
Que não tem piedade
Nem conhece idades
Que pelas suas ásperas mãos
Rouba-nos o mais precioso
Que nos faz revoltar
Pela triste sina….
Sofrendo até ao limite
Agoniados pela cura
Sentindo que nada somos
Apenas meros bonecos…
Caindo um pedaço do corpo
Como velhas folhas secas
Chega o negro á alma
Pela imagem espelhada
Sentindo um vazio eterno
Esperando por um milagre
Pela bênção de DEUS….


LIZ, SETEMBRO de 2005






6 comments:

Micas said...

Beta minha linda, tenho andado um pouco distante devido a uma fase menos boa que atravesso, hoje vinha aqui deixar-te um beijinho e deparo-me com este post...
Não consigo comentar. Deixo um abraço apertado

111x6 said...

Liz , meu carinho para você e parabéns pela postagem !

AS said...

Liz, muito fatalista este poema. Está nas nossas mãos traçar o nosso caminho!

Um beijo

Carmem L Vilanova said...

Liz querida, esta doença é mesmo uma mácula grave na vida de algumas pessoas... recentemente tive uma tia que faleceu em virtude de um câncer de pulmao... tenho agora uma amiga com câncer de seio e útero... nao sei nem como comentar algo assim... é esperar que nao aconteça com aqueles a quem amamos muito... sofreríamos junto, creio!
Beijos para ti, minha linda!

Nilson Barcelli said...

Tenho alguma dificuldade em comentar este teu poema, apesar de bem escrito.
Eu não conseguiria abordar esse tema, ou teria imensa dificuldade, por razões pessoais. Tinha 22 anos quando a minha mãe morreu por causa disso.
Beijinhos

Eliane Alcântara. said...

Liz, meu beijo carinhoso!
Que Deus de onde estiver olhe por nós.