Friday, November 05, 2004

SEM ABRIGO

COM A CARA SUJA DE NEGRO
NINGUEM CONSEGUE VER SEU MEDO


COM SUAS BOTAS ROTAS PELO TEMPO
CAMINHA PELAS PEDRAS DA CALÇADA


TRAZENDO NA MEMORIA SUA FAMILIA
TRAZENDO NO CORAÇÃO SUA SOLIDÃO


NOS CAIXOTES SACÍA SUA FOME
NAS RUAS ENCONTRA SEU ABRIGO


DE MÃOS ENRUGADAS PELO TEMPO
ESTENDIDAS POR UMA ESMOLA


VEM PEDINDO UM PEDÁÇO DE PÃO
COMO DE CARINHO SE TRATASSE


NAS NOITES CHUVOSAS E FRIAS
NÃO TEM ONDE SE ABRIGAR

TEM POR ÚNICAS COMPANHIAS
SEUS TRAPOS TODOS MOLHADOS
QUE SEU CORPO VAI SECAR

COM OLHARES MUITO DISCRETOS
POR ELES VAMOS PASSANDO


POR ENTRE DENTES VAMOS DIZENDO
LÁ VEM O DESGRAÇADO...


PORQUE SERÁ QUE NUNCA REPARAMOS NAS PESSOAS SEM ABRIGO?
A SOCIEDADE È ASSIM TÃO EGOISTA?



LIZ,4 de Novembro 2004

13 comments:

frog said...

Pois é Liz!... Foi esta a sociedade que construimos e que muito pouco temos feito para que algo mude. Vivemos rodeados pela indiferença, pelo igoísmo, perderam-de os valores mais elementares. Por isso mesmo, este teu texto tem um significado muito especial, é um grito de revolta contra a injustiça que muito te enobrece e dignifica. O MEU APLAUSO!

Fica com um beijo

Roxanne said...

olá Liz, nesta minha visita (há muito devida) fiquei surpresa com a tua sensibilidade, não a percas. beijinho e bom fim-de-semana.

RUTRA SEPOL said...

Só alguem como tu e com um coração como o teu podia ter escrito isto, por tudo isto eu sinto este orgulho e amor por ti ...
(ps. já estou com saudades)

Micas said...

Não percas essa sensibilidade que tens. É lindo o poema.
Ontem tentei comentar mas não consegui aceder.
Beijinho e bom resto de domingo.

BlueShell said...

Lindíssimo poema!bjs

Karol said...

Olá... belo texto seu, possue uma sensibilidade incrível...
Espero que seu poema toque o coração de outras pessoas, assim como tocou o meu.
Tenha uma boa semana, bjos =)

Nilson Barcelli said...

O teu poema é-me incómodo.
Porque eu também já não reparo neles.
Olho, mas não vejo, não faço nada.
Mas se o fizesse seria por mim apenas, porque tenho consciência de que não resolveria o problema, que é profundo e depende, em última análise, de políticas que minimizem, pelo menos, tamanha vergonha humana, a nossa vergonha.
Um beijo.

Micas said...

Uma boa semana Liz. Beijinhos

Rita said...

Ola Liz!!
Venho agradecer a tua visita ao meu Fragilidades e dizer k tmb gostei bastante do teu cantinho..Já te "linkei", para asssim nao te perder de vista e ser mais assídua nas visitas :)
Li um poema triste, mas bem real nos dias k passam!!
Enfim, é o mundo em k vivemos :/
Um Abraço

Micas said...

Beijinho e bom fim de semana

Andrea Motta said...

Bom dia Liz, muito bom este texto, tenho gostado imensamente de vir aqui lê-la. Bom final de semana, beijos com carinho Andréa.

O peido said...

o peido esteve aki a contaminar o teu blog :p anda-te peidar no meu

Alma de Poeta said...

Porque nunca reparamos? Porque nos envergonhamos do nosso ter sem repartir, dos nossos governantes que tao mal tratam os menos afortunados.

Escusado será dizer que adorei essa homenagem em forma de poema que fazes aos sem abrigo.

Isso sim, é natal.
Beijo